top of page
  • Foto do escritorJéssica

TDAH - Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade



O Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade é um distúrbio do neurodesenvolvimento que inclui dificuldade em manter o foco e prestar atenção, dificuldade em controlar o comportamento e a hiperatividade.

Os sintomas percebidos no dia a dia são:

  • desatenção

  • divagação em tarefas

  • falta de persistência

  • dificuldade de manter o foco e concentração

  • desorganização

  • agitação motora excessiva (remexe-se tempo todo)

  • impulsividade

De acordo com o DSM5, o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade pode se apresentar nos seguintes subtipos:

  • Predominantemente desatento (anteriormente conhecido como transtorno de déficit de atenção DDA) – as crianças com essa forma de TDAH não são excessivamente ativas. Por não atrapalharem a sala de aula ou outras atividades, seus sintomas podem não ser percebidos. Entre as meninas com TDAH, essa forma é mais comum.

  • Hiperativo / impulsivo – as crianças com este tipo de TDAH apresentam comportamento hiperativo e impulsivo, mas podem prestar atenção. Eles são o grupo menos comum e frequentemente são mais jovens.

  • Combinado (desatento / hiperativo / impulsivo) – crianças com este tipo de TDAH apresentam vários sintomas em todas as três dimensões.

Levantamentos populacionais sugerem que o TDAH ocorre na maioria dos países em cerca de 5% das crianças e 2,5% dos adultos.

O TDAH é mais frequente no sexo masculino do que no feminino na população em geral, com uma proporção de cerca de 2:1 nas crianças e de 1,6:1 nos adultos. Há maior probabilidade de meninas se apresentarem primariamente com características de desatenção na comparação com meninos.



O tratamento do TDAH é feito por uma equipe multidisciplinar e pode incluir:

  • Acompanhamento médico (neurologista, neuropediatra, psiquiatra) e tratamento com medicamentos.

  • Um plano educacional especializado (converse com a Escola sobre PEI) com descrições detalhadas do ensino e avaliações com as adaptações se forem necessárias.

  • Psicoterapia individual e familiar (orientação de pais em gestão emocional e de comportamento)

  • Suporte Psicopedagógico para dificuldades e/ou transtornos de aprendizagem, treinamento de habilidades e técnicas de estudo

  • Terapias com profissionais da saúde (terapeuta ocupacional, fonoaudiologia etc.) conforme a necessidade

Saiba mais no portal da Associação Brasileira do Déficit de Atenção (ABDA), que é uma associação de pessoas com TDAH, sem fins lucrativos, com informações científicas sobre o Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH).



Fonte: DSM-5, Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Tradução: Maria Inês Corrêa Nascimento et al.; Revisão Técnica: Aristides Volpato Cordioli et al.- 5ª Ed – Porto Alegre: Artmed, 2014.

Kommentare


bottom of page